O ataque abusivo dos Fake Fact Checkings contra Ciro Gomes

em Política por

UOL dá munição ao MBL e dita a orquestra das fake news

Gustavo Castañon

A repercussão em São Paulo da entrevista de Ciro no Roda Viva causou pavor nos agiotas brasileiros.

Com este pavor vimos também, em tempos de fake news e pós-verdade, a ascensão de uma nova forma de picaretagem na rede: o fake fact checking.

No começo, foi só a checagem da UOL. Depois dos primeiros dias circulando sua versão livremente, a UOL publicou as respostas da assessoria de Ciro [1] de forma truncada, parcial, e misturada com as desculpas da redação. Antes, no entanto, mudou seu texto original, chegando até mesmo a inserir os números do Orçamento de 2018 como se eles sempre estivessem estado ali.

No mundo da UOL, e durante quatro dias no mundo de todos os que leram sua tentativa de Fact Checking:

  1. É FALSO calcular, como fez Ciro, o déficit da Previdência de acordo com o Artigo 195 da Constituição, que determina que o Orçamento da Seguridade Social deve ser apurado com a inclusão de todas as despesas previdenciárias e de todas as receitas previdenciárias, sem a retirada de receitas permitida pela DRU [2].
  2. É IMPRECISO dizer que importamos cerca de 80% dos nossos medicamentos porque só importamos 77,4% dos componentes, depois prensamos e colocamos a embalagem aqui (como eles mesmo reconhecem).
  3. É FALSO dizer que o orçamento atual não tem mais da metade de suas despesas financeiras, apesar de a Lei Orçamentária Anual de 2018 prever 50,6% dele somente para juros, amortizações e rolagem da dívida [3];
  4. É IMPRECISO dizer que a cidade de Sobral é a primeira no IDEB, coisa que o próprio portal UOL já noticiou 3 vezes [4] assim como a maioria dos órgãos de imprensa e a Unesco, repetindo os números do Governo Federal [5];
  5. É INSUSTENTÁVEL dizer que só 8% dos assassinatos são investigados porque eles preferem outra fonte e não a Enasp (Estratégia Nacional de Segurança Pública), uma comissão que reúne o Ministério da Justiça, o Conselho Nacional de Justiça e o Conselho Nacional do Ministério Público (como eles mesmo reconhecem);
  6. É IMPRECISO dizer que Ciro terminou sua gestão na Fazenda com o maior superávit primário da história mesmo tendo mais de dois pontos a mais que o segundo colocado (como eles mesmo reconhecem), porque a metodologia atual mudou;

Com base nessas divergências, a maioria das quais seriam tolices até para o tecnicismo acadêmico, eles produziram o que interessava a eles, uma manchete: “Na TV, Ciro Gomes erra dados sobre Previdência e Orçamento”.

E então começou a tocar a sinfonia da orquestra gigante de fake news da direita brasileira.

Essa manchete foi republicada imediatamente por vários jornalistas da imprensa corporativa com muitos seguidores na rede, assim como pela rede neoliberal que gravita em torno do MBL, Mises, Mercado Popular e assemelhados.

Eu mesmo respondi a repostagem do comentarista do Manhattan Connection Ricardo Amorim, que, depois de mais de 1700 curtidas em meu comentário, o ocultou sem um pedido de desculpas sequer.

Incomparavelmente mais vergonhoso foi o artigo do blog neoliberal “Amálgama”, de um sujeito que assina como Lucas Baqueiro. Depois de prometer no título 47 (!) erros que teriam sido cometidos por Ciro Gomes durante a entrevista, ele apresenta somente 15 tópicos, a maioria simples divergências ideológicas e teóricas, para não ser “cansativo para o leitor”. A manchete fakepara circular na rede da direita, no entanto, estava produzida.

Mas nada atingiu o nível de criminalidade do vídeo do neoliberal Bernardo Küster, que através de cortes e montagens, inventou o que quis no meio de uma torrente de caras e bocas, histrionismo e bordões infantis [6]. Tal vídeo, por ser um aglomerado de edições e violações de direitos autorais, foi denunciado e retirado de circulação pela Fundação Padre Anchieta, mantenedora da TVE.

Essa avalanche e ação coordenada tinha um objetivo claro: pintar Ciro Gomescomo um mentiroso que inventa dados. Por dois motivos.

Primeiro, desconstruir a percepção evidente de que ele é o mais preparado entre os candidatos à presidência.

Segundo, tentar desesperadamente impedir que o único candidato em trinta anos que domina os números da economia, seus conceitos e tem habilidade retórica e didática, explique à classe média brasileira como ela tem sido roubada e escravizada.

É preciso pressionar Ciro com questionamentos cada vez mais despropositados em relação a precisão de seus números para que ele deixe de expor as verdadeiras ordens de grandeza da desgraça brasileira.

Para isso ações militantes como a revista Amálgama ou a “Caneta Desesquerdizadora” são promovidas a respeitáveis agências de fact checking.

Isso porque Ciro sempre fez questão de ilustrar e sustentar seus argumentos com dados, para não cair na vala da retórica vazia da política brasileira. Esse hábito, não seguido por nenhum outro candidato, permite ao público e aos órgãos de imprensa checar e esclarecer as premissas de seus argumentos.

Também permite a nós checarmos essas checagens e explicar eventuais “guerras de números”. Afinal, divergências de fontes ou de metodologias, arredondamentos e discordância de conclusões não são o mesmo que informações falsas.

Não estou aqui, no entanto, defendendo militante e ridiculamente que Ciro seja uma máquina infalível. Nenhum professor, nem sequer ministrando aula em sua área de expertise, o é.

Evidentemente, uma pessoa que dorme quatro horas por dia e fala diariamente publicamente por cerca de seis horas há dois anos, cometerá às vezes erros, exageros retóricos e imprecisões. Esses erros já aconteceram, acontecem e acontecerão.

Mas com esse nível absurdo de cobrança, o que estão tentando desesperadamente é interditar o debate, não travá-lo.

O ataque maciço e altamente coordenado dos últimos dias não tem nada a ver com erros e exageros banais. Eles têm sim é a ver com o imenso pavor que tem nossa elite do que Ciro Gomes tem a dizer, e de como ele o diz.

NOTAS:

[1] https://noticias.uol.com.br/confere/ultimas-noticias/2018/05/30/uol-confere-ciro-roda-viva.htm

[2] Ciro usa como fonte para seus cálculos o estabelecido pelo Artigo 195 da Constituição, que determina que o Orçamento da Seguridade Social deve ser apurado com a inclusão de todas as despesas previdenciárias (despesas previdenciárias, Bolsa Família, LOAS, etc.) e de todas as receitas previdenciárias (COFINS, CSLL, receitas previdenciárias e receitas de loterias). Nesta metodologia, não há a retirada de receitas permitida pela DRU, que retira da Previdência 30% das receitas obtidas com as contribuições sócias (COFINS, CSLL), nem o valor correspondente às desonerações de Folha que o Tesouro tem de devolver à Previdência. Por esta metodologia, a Previdência teve superávit até 2015 e um déficit, a partir de 2016, da ordem de R$ 30 bilhões, conforme afirmou Ciro no Roda Viva. Sabemos todos que o problema do déficit da previdência é polêmico por causa da contabilização por alguns órgãos do déficit dos sistemas de aposentadoria independentes militares e de servidores civis. A própria CPI da previdência concluiu recentemente pela inexistência do déficit, déficit que hoje, Ciro reconhece.

[3] A UOL se remete aos números do orçamento executado no ano passado para dizer que Ciro falou uma falsidade. A frase de Ciro é clara e a fonte dos dados inquestionável: a Lei de Orçamento Anual de 2018, que prevê R$1157,2 bilhões para refinanciamento da dívida e R$621,6 bilhões para juros e amortização da dívida. Ou seja, 50,6% do orçamento de R$3516 bilhões para rolagem da dívida e seu serviço. Se contarmos ainda toda a conta de despesa financeira como faz a afirmação de Ciro a proporção é ainda maior: 54% do orçamento para despesas financeiras de forma geral. Uma versão de fácil compreensão do Orçamento da União de 2018 se encontra aqui: http://www.planejamento.gov.br/assuntos/orcamento-1/orcamento-cidadao

[4] Portal UOL anunciando em três ocasiões diferentes Sobral como primeiro lugar do Ideb, fato público já exaustivamente divulgado por todos os meios de comunicação nacionais:

http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/cidades/educacao/noticia/2017/11/30/sobral-cidade-do-ceara-da-exemplo-de-boas-praticas-na-alfabetizacao-317979.php

http://www1.folha.uol.com.br/educacao/2016/09/1811581-estado-de-sp-avanca-no-ideb-mas-matematica-e-portugues-pioram.shtml

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/claudia-costin/2017/11/1934116-e-possivel-melhorar-a-qualidade-da-educacao-no-brasil.shtml

[5] Os rankings do Ideb são construídos por vários órgãos diferentes com base nas informações brutas disponibilizadas pelo Ministério da Educação aqui: http://sistemasideb.inep.gov.br/resultado/

No link abaixo temos um levantamento do governo do Amazonas em cima dos dados brutos do Ideb mostrando que Sobral é o município de maior Ideb do Brasil nos anos iniciais e o sexto do Brasil nos anos finais, o que o coloca na liderança disparada do Ideb nacional do ensino básico (anos iniciais + anos finais) com a média de 7.55. Os outros únicos municípios com presença entre os trinta melhores Idebs tanto nos anos iniciais como nos finais do ensino básico são Dumont SP (média 7,2), Jeripoca de Jericoacoara CE (7,05), Brejo Santo CE (7,0), Iporã do Oeste SC (6,9) e Aratiba RS (6,8). http://www.educacao.am.gov.br/wp-content/uploads/2013/01/RESUMO-DOS-IDEB-2015.pdf

Outra fonte da liderança média de Sobral é a QEdu, uma iniciativa da Fundação Lemann que analisa os dados da educação brasileira para facilitar seu uso por educadores. No link abaixo vocês podem ver que ela elenca as quatro redes municipais de maior Ideb do país e entre as quatro Sobral, com a maior nota média entre anos iniciais e finais da educação básica: http://academia.qedu.org.br/ideb/ideb-2015/

[6] Algumas mentiras factuais de Bernardo Küster incluem a afirmação de que Ciro teria prometido “destruir o PSDB” e “destruir o PT”, quando Ciro se referiu de fato ao PMDB. Para a última, até apresenta um corte em que exclui a introdução sobre o PMDB. Em outra mentira, apresenta um corte de uma palestra onde Ciro afirma desejar o “fim da ilusão moralista católica” sobre a influência do poder econômico sobre as eleições, para afirmar que ele teria defendido “acabar com a moral católica”.

Além das mentiras, nada há mais no vídeo além das paranoias e chavões da extrema-direita brasileira, como “Foro de São Paulo organização criminosa”, “imposto é roubo”, “imposto sobre herança é coisa de comunista”, “petroleiro é do povo vermelho”, “o Brasil está num contêiner socialista” ou “a carga tributária brasileira é uma das maiores do mundo”.

Edição do Conteúdo:
www.conversaafiada.com.br

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*