A favor do golpe, Fiesp investe pesado em jornais

em Política por

Os jornais sempre receberam de publicidade, o que é legítimo para a sobrevivência financeira da empresa. Contudo, basta visitar o site do jornal Estado de S. Paulo para ver a última incoerência publicitária. Em meio à crise política, o jornal, que se diz isento, vendeu-se à Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo). O plano de fundo, que antes era branco, agora é amarelo. Letras a favor do impeachment estão bem evidentes. “Quem vai pagar o pato?”, pergunta a propaganda da Fiesp. Ao clicarmos na propaganda, somos redirecionados ao site da federação.

pagar o pato

É bom relembrarmos do papel que a Fiesp desempenhou no golpe de 1964 que deu origem à ditadura militar. Segundos arquivos da ESG (Escola Superior de Guerra), empresários ligados à federação tiveram participação intensiva no golpe.

fiesp

Os documentos revelam também os gastos excessivos que a Fiesp financia para colocar seus interesses em detrimento da população.

Hoje, a federação investe em publicidade para um novo golpe. Quando pensamos na concentração da mídia nas mãos das elites, quando olhamos para a história do país e vemos que os ciclos se repetem, que temos mais do mesmo, que a elite se autofinancia, vemos que não podemos desistir de lutar contra.

Como ironiza o jornalista Camilo Vannuchi:

Parabéns à Fiesp pela publicidade de 14 páginas na Folha de hoje. Excelente modo de investir o dinheiro economizado com as demissões e o tal sucateamento da indústria nacional. Aliás, o dinheiro que sobrou da produção dos patos infláveis. Estou adorando o caráter e o senso cívico de vocês e seus associados.

O modo com que a publicidade está posicionada no Estado de S. Paulo, em meio à crise política do país, revela que de isento o jornal nada tem. Agora que decidiu aderir de fato ao golpe e ser transparente quanto o fato de que seus patos estão sendo pagos pela Fiesp, parece uma boa hora para discutirmos a definição do Golpe que está sendo colocado em prática.

O impeachment não é “já”, não é paixão, não é futebol. Impeachment é sério. Terá repercussões sérias, e estará mais fora do controle  quanto mais a população der cartas brancas às atuais cabeças do processo, do golpe. O impeachment deve ocorrer se e quando as acusações contra a atual chefe de estado forem comprovadas.

Ele não deveria ocorrer por pura vontade da oligarquia brasileira, que está lutando para tomar o poder de forma direta, ao invés de por intermédio de diálogos difíceis com Dilma Rousseff. Isso se trata de dinheiro, petróleo e de valores morais que datam dos tempos da oligarquia do café. Afinal o que é o golpe do qual tanto se fala?

Chama-se de golpe este impeachment em particular, e não o conceito de impeachment em geral. E isso porque a sociedade civil brasileira aprendeu com sua história, um pouco, o suficiente para saber que a ficha de quem está articulando a queda da presidente é muito suja. Não estamos falando dos cidadãos cansados de corrupção, isso somos todos. Estamos falando dos políticos corruptos, do sujo falando do mal lavado.

O povo aprendeu com sua história para saber a intenção dos sujos, estes querem investigações fortes e um julgamento que irá, tanto por meios lícitos quanto ilícitos, condenar de qualquer forma. A parte política do processo de impeachment nem mesmo precisa de condenação, por isso ele possui grande potencial de se tornar golpista. Mas esta parte da história é outra.

Golpe mesmo virá se o processo obtiver sucesso pelas mãos dos sujos que o articulam neste momento. Destes nobres senhores que saíram em listas impregnadas de corrupção. Da mídia que omite estas listas por falta de comprovação das evidências, mas expõe grampos de forma ilegal que mal pode-se dizer terem evidências de crimes para serem comprovadas. Da mídia que fez sua fortuna com a ditadura militar.

O golpe, senhoras e senhores, se firmará se o impeachment ocorrer, neste caso quando, após a queda do atual governo e a tomada pela oposição, as investigações, a Lava Jato e todos os tipos de mensalão forem engavetados. Se depender da mídia e dos sujos atuais, isso não será uma opção que eles irão cogitar, isso será a única opção que eles terão, e estarão em imensa maioria para defendê-la.

Tags:

1 Comment

Deixe uma resposta para Rogério Cancelar resposta

Your email address will not be published.

*